INÍCIO COMISSÃO ORGANIZADORA Español
VI Encontro Americano de Psicanálise da Orientação Lacaniana
22 e 23 de novembro de 2013Hotel Panamericano
Falar com o corpo. A crise das normas e a agitação do real

Textos

O corpo na mania
Darío Galante

Darío GalanteUm acontecimento de corpo pode ser a possibilidade de uma mudança. Entretanto, a partir dessa condição é imprescindível estabelecer um espaço em que algo disso possa ser escutado. Nesse ponto é fundamental a posição do ouvinte.

A classificação por transtornos é o resultado de uma conjunção entre os fenômenos e o tempo na qual o detalhe de cada consulta se perde na homogeneização estatística.

Em outra dimensão colocamos o diagnóstico que um psicanalista pode fazer já que este implica uma construção que vai mais além do acontecimento. Para a psicanálise dito acontecimento é subjetivado de um modo particular em cada caso e se ordena de maneira diferente se o mecanismo defensivo é o recalque, o desmentido ou a foraclusão.

Tanto as crises das normas como a agitação do real promovem novas apresentações clínicas marcadas por um empuxe ao impulsivo.

Neste ponto, as psicoses nos ensinam algo mais sobre corpo. Podemos investigar, então, as consequências da irrupção no corpo do que não pode ser metaforizado no discurso, teremos, assim, a oportunidade de avançar em uma clínica dos desencadeamentos e das estabilizações nas psicoses.

Por exemplo, obtemos certa elucidação naqueles casos de psicoses não desencadeadas, bem amalgamados nos ideais familiares e que em determinado momento, sem que ninguém suspeitasse, pareceram romper-se.

A dissociação entre o corpo e o significante também pode ser funcional a certas estabilizações. Muitas psicoses se mantêm estáveis no tempo porque o corpo não está comprometido em um vir a ser.

Nesse sentido nos perguntamos como escutar o que no corpo fala nas psicoses e como intervir com as implicações corporais da irrupção de um pai no real.

Por exemplo, no caso da mania encontramo-nos com determinadas passagens ao ato tais como as automutilações, tão presentes nas tatuagens ou em certos anéis que funcionam como deformadores das orelhas e em uma vasta gama de fenômenos de violência que podem funcionar como pontos de capitonagem momentâneos. São expressões de um corpo afetado pelo rechaço do inconsciente, de um gozo que invade o corpo sem mediação simbólica.

No modelo freudiano da mania podemos encontrar uma via para investigar a relação entre a queda das normas e algumas soluções que implicam um corpo não atravessado pelo significante. A tese freudiana estabelece, no campo econômico, uma alteração entre o eu e o ideal. De algum modo se rompe uma barreira, então o ideal não funciona como limite. O que revelam os acessos maníacos é um corpo cindido dos ideais.

Onde então a psicanálise joga a sua partida? Em escutar o que fala nos corpos, sem delirar com isso. Escutar o que volta sempre ao mesmo lugar e as incidências dessa repetição nos desarranjos que a linguagem impõe ao ser falante. Isso que fala requer um Outro que faça mediação entre o corpo e o sujeito.


Tradução: Jorge Pimenta.