INÍCIO COMISSÃO ORGANIZADORA Español
VI Encontro Americano de Psicanálise da Orientação Lacaniana
22 e 23 de novembro de 2013Hotel Panamericano
Falar com o corpo. A crise das normas e a agitação do real

Textos

A anatomia é um destino para os acreditam na natureza
Tania Coelho dos Santos - EBP- RJ

Tania Coelho dos SantosEstranhei muito o título desta intervenção de Miller –"Mariage homosexuel: oublier la nature"– publicada no Le Point (03/01/2013). Reproduzo, para introduzir minha questão, uma pequena parte: "A natureza cessou de ser digna de crédito. Desde que passamos a saber que ela é escrita em linguagem matemática, aquilo que ela diz, conta cada vez menos (...) O ideal da justa medida não é mais operatório".

Eu me pergunto: trata-se de esquecer a natureza? Argumento que a natureza é da ordem do semblante. Dizer depois de Freud que "a anatomia é o destino" é o mesmo que dizer que só se pode abordá-la pela via da fantasia. Fantasia de quem? Fantasia do religioso? Fantasia do cientista? Fantasia do neurótico? Em apoio a minha posição, recordo as palavras de Lacan no Seminário 18 (1). A identidade de gênero não é senão o destino dos seres falantes de se repartirem, na idade adulta, em homens e mulheres. Para o rapaz, trata-se de bancar o homem, agente da corte tal como esta é definida no nível animal. O comportamento sexual humano consiste numa certa manutenção deste semblante animal. Entre os humanos, este semblante, é o discurso sexual que o transmite. O discurso sexual é a passagem do real enquanto impossível de imaginar. Para alcançar o outro sexo, é preciso não tomar o órgão masculino pelo real, pois ele somente se funda como instrumento da cópula por meio do arranjo significante. A posição do psicótico ignora que a natureza não é o real, pois ela é o semblante. O que o transexual não quer mais, por exemplo, é o significante. Somente graças aos efeitos do significante, aquilo que está escrito no corpo como anatomia pode ser lido como destino. Para fazê-lo como convém, é preciso que a gente se engane pela via do "erro comum" que é o de crer à natureza.

A aliança do capitalismo com a ciência incidiu sobre o corpo e o laço social na redistribuição a sexuação. Eis porque a anatomia não é mais "o destino" senão de alguns e de algumas. Na civilização contemporânea, a experiência da discordância entre a identificação simbólica e a anatomia ‒que eu defino como a percepção imaginária, mas também a experiência real do corpo‒ não é mais uma exceção à regra. Ninguém é considerado um psicótico porque não acredita na nomeação simbólica que seu corpo recebeu do Outro. É perfeitamente aceitável, nos dias de hoje, que um homem desacredite do valor fálico de seu órgão anatômico. O fato de ser portadora de uma vagina e de um útero pode não valer absolutamente nada para uma mulher que acredita ser um homem. Eles não fazem a menor questão de imitar a natureza!

Mesmo assim, nos dias de hoje, querem se casar e ter filhos imitando os amantes da natureza. A luta pelo casamento para todos mostra que o movimento gay não revindica mais o direito à exceção homossexual. Nos anos 1970 o discurso gay recusava o sonho naturalista de felicidade familiar com seus papéis ready-made: marido, mulher, papai, mamãe, bebês. Ele representava o máximo de liberdade pulsional. Ao longo dos anos, este discurso demonstrou-se incapaz de produzir novos semblantes. O discurso gay contemporâneo propõe que se pode casar dois maridos ou duas esposas e ter filhos com papai-papai e mamãe-mamãe. Basta dar uma olhadinha nas séries americanas para verificar que é assim que as coisas se passam. Os significantes mestres produzidos pela fantasia da natureza agora são revindicados por todos, neuróticos ou não. A única coisa que triunfa em nossos dias, aparentemente, é a vontade dos antigos rebeldes de ser igual a todo mundo.


Notas

  1. Lacan, J., El Seminario, Libro 18, De un discurso que no fuera del semblante, Paidós, Buenos Aires, 2010, p.31.